Muitos dos principais provedores de telecomunicações do Reino Unido já anunciaram planos para encerrar o uso da PSTN e substituí-lo pelos serviços All-IP. De fato, alguns já começaram a suspender o suporte à PSTN.

A BT pretende mudar todos os usuários para IP até 2025. A Orange estabeleceu uma meta mais ambiciosa de ter todas as redes digitais até 2020.

Por que eles estão fazendo isso?

Há várias razões principais por trás da mudança para redes totalmente IP. Isso ajudará a reduzir custos para provedores, com especialistas como a IDT capazes de oferecer serviços de terminação e originação de voz altamente competitivos. Também oferecerá aos consumidores mais opções e flexibilidade no que diz respeito à seleção de serviços de voz e também é o primeiro passo para a eventual aposentadoria das redes de cobre. Este último também está conectado ao objetivo do governo do Reino Unido de implantar redes de ISP de banda larga no estilo FTTP compatíveis com Gigabit em todo o país até 2033.

Existem quatro caminhos reconhecidos para a migração All-IP. Esses são:

1) Migração voluntária - onde o usuário final migra para um produto baseado em VoIP de um PSTN porque é atraído pela qualidade / funcionalidade superior.

2) Migração forçada - onde o usuário final recebe uma data firme para o fechamento da PSTN / ISDN e, portanto, deve fazer a troca para usufruir de um serviço de telefonia contínuo.

3) Migração passiva - onde o provedor pode migrar clientes para uma rede All-IP para eles, com pouca ou nenhuma interrupção. Nesses casos, o cliente não precisa fazer nada.

4) Migração coincidente - onde o usuário final se move de uma PSTN baseada em um produto inerentemente baseado em IP, como o FTTP.

Desafios

Existem vários desafios significativos quando se trata de mudar de PSTN para IP. Migrações semelhantes estão em processo em vários países, incluindo Alemanha, Suíça, França e Nova Zelândia. É claro a partir desses programas que existem lições que podem ser aprendidas e aplicadas no Reino Unido.

Uma das principais lições destacadas até agora tem sido a necessidade de tentar evitar a 'migração forçada', na medida do possível. Na Alemanha, alguns problemas de comunicação levaram a migrações mais forçadas do que o previsto. No entanto, a migração da Alemanha agora é superior a 80%.

Outras lições de outros países, incluindo uma indicação de que o agrupamento de serviços IP com outros produtos foi mais eficaz em termos de migração do que simplesmente tentar convencer as pessoas a mudar, destacando os benefícios.

Ao contrário de outros países, no Reino Unido há um requisito regulamentar para uma fonte de alimentação ininterrupta, a fim de proteger os clientes vulneráveis. Os fornecedores também devem garantir que o acesso aos serviços de emergência não seja comprometido, principalmente no caso de falta de energia.

Outra área de preocupação é o fato de o Reino Unido operar um sistema de encaminhamento de números, enquanto muitos dos outros países têm um banco de dados centralizado.

Claramente, há algum caminho a percorrer, mas a extensão associada da infraestrutura do Reino Unido terá benefícios de longo alcance.